Hasya

Ando muito reflexiva ultimamente. Chega uma fase na vida que sentimos a necessidade de repensar todas as coisas, reorganizar prioridades, tirar conclusões se nossas escolhas foram boas ou ruins, se prosseguiremos no mesmo caminho ou mudamos. Minha conclusão é: ser adulto é muito difícil! rsrsrsrsrs…por que estou falando isso? Simplesmente porque todas as decisões sobre o rumo da vida são muito difíceis, nível hard tipo: reabrir sua loja ou ficar com sua filha? Cara, é sinistro.

Eu tinha decidido a reabrir minha lojinha, até fizemos uma pequena reforma, mas eu simplesmente não consegui ficar separada da minha filha, a loja já tinha tudo, estava pronta pra abrir, mas eu a veria rapidamente apenas uma vez no dia, que seria quando ela acordasse pra ir pra escola e eu a arrumasse, isso doeu muito em mim. Foi difícil repensar e decidir não reabrir, mas foi impossível deixá-la. Nós mulheres que estamos acostumadas a trabalhar sempre sofremos com o impasse no que diz respeito a carreira e filhos. Sim, eu já trabalho com meu marido num negócio próprio, onde ela fica conosco, é claro que não é fácil trabalhar e cuidar da cria ao mesmo tempo mas a gente vai se desdobrando, e no fim dá tudo certo e é uma delícia tê-la o tempo todo comigo. Quando decidimos trabalhar dobrado, a família sofre, os filhos principalmente. Quando eu não tinha filha, nós vivíamos num ritmo frenético, ele trabalhava no negócio dele, eu no meu e nos ajudávamos em tudo, mas cara, quando a gente tem filho é uma coisa muito louca, a gente vai abrindo mão de muitas coisas por eles, e isso não é ruim, priorizar quem amamos é o que realmente importa. Isso que eu fiz, essa decisão doeu, meu ego doeu, mas senti paz ao tomá-la. Perto da grandeza dos filhos, o que são as dívidas né?! Essa crise veio pra lascar com todos nós, só nos resta trabalhar e ir pagando as dívidas como pudermos.

Eu e meu marido sempre almejamos crescer, crescemos dentro da nossa realidade, mas veio a crise e levou tudo. Hoje me pergunto por que trabalhávamos como loucos pra crescer…me faz repensar sobre a vida. Deixamos durante muitos anos nossa vida social de lado pra dedicarmos ao trabalho, e o que restou? Dívidas! Se não fosse trágico seria cômico (a boa e velha frase)! Mas o que é a vida social diante da decisão de abrir mão de ficar com a própria filha pra trabalhar dobrado? Vale a pena? Dessa vez eu disse não. Dessa vez decidi viver com menos, dessa vez eu decidi viver uma vida mais simples, para priorizar o que merece ser priorizado. Decidi trocar todos os presentes materiais que eu poderia dar a ela trabalhando dobrado, simplesmente pela minha presença.

Hoje emocionada, sigo feliz e em paz, tendo a certeza de que foi a melhor decisão. <3